SÍNDROME  DE  INDIFERENÇA  E  INGRATIDÃO A COPA DO MUNDO E O ENIGMÁTICO  11 CIÊNCIA X TEOLOGIA AVIVAMENTO  OU  MOVIMENTO?! O ENIGMA DA NEGAÇÃO DE PEDRO

Considerações Gerais

Resolvi abrir este Espaço para dinamizar o Site;

Para uma melhor visualização do Site use Google Chrome;

Para uma leitura prolongada e confortável use a resolução de Tela de 800 x 600, e ZOOM igual a 100%

Espero atender melhor os Leitores deixando informações que estão dispersas em Comentários;

Por exemplo: Ao abrir o Site e ler atentamente esta página, o Leitor deverá ler a Seção “INTRODUÇÃO” onde estão as demais orientações para um acesso eficiente e uma leitura agradável;

Para ajudar o meu Ministério adquira, através do PAG/SEGURO, o CD DE POESIAS, clicando no Disco/LINK amplamente em exposição, ou no Link “CD DE POESIAS”;

ASSUNTOS MAIS PROCURADOS PELOS LEITORES E POSTADOS NO SITE:

  • Permanência e Filhos de Adão e Eva no Éden;
  • A Arca da Aliança – Seu desaparecimento e Descoberta;
  • Moisés e a Terra de Canaã;
  • O Enigma dos 144 Mil;
  • Os Lenços e Aventais do Apóstolo Paulo;
  • O Oitavo Rei – Apocalipse 17: 11;

São atualmente um Livro Teológico e 72 Artigos que têm enriquecido o Conhecimento dos Leitores, conforme diversos Comentários postados no seguimento dos Artigos; Observe os ícones no alto do Site;

A VOLTA DE JESUS PARA ARREBATAR A SUA IGREJA:

Este Assunto está amplamente desenvolvido e comentado em Artigos;

OS DINOSSAUROS E A BÍBLIA:

Este Assunto também encontra espaço no Site;

 

FALE CONOSCO:

Os Assuntos tratados no FALE CONOSCO que sejam de interesse Geral, eu os postarei neste Espaço;

 

FATOS RELEVANTES NO CENÁRIO MUNDIAL:

Sempre que houver um Fato Relevante no Cenário Mundial eu o mostrarei aqui.

CIÊNCIA X TEOLOGIA

Meu Site já ultrapassou a marca de um milhão de visitas;

Pense nisso:

Quanto mais alguém se aproxima de Deus, mais é tentado;

Quanto mais é tentado, mais sofre;

Quanto mais sofre, com Amor, mais é abençoado;

Sem contar os números muito antes de ser implantado o contador de visitas, e com o alcance da marca de um milhão de visitas, ocorreram-me as seguintes situações;

Meu carro – Ford Ka – estacionado, sem um motivo aparente trincou o vidro da frente em quase toda a sua extensão;

Uma semana depois, na mesma situação, explodiu o vidro lateral traseiro direito quando eu ainda nem tinha concertado o vidro da frente;

Um dos nossos celulares de um Plano 3G passou a ser utilizado através da Internet, por alguém estranho; Fizemos a reclamação, tivemos reembolsado o valor e bloqueamos a operação;

Recebi uma conta de uso de Cartão de Crédito; Não uso Cartão de Crédito, logo, meu Cartão foi “clonado”; O Banco anulou a compra e Bloqueou o Cartão; Recebi um novo Cartão sem problemas;

Tudo isso aconteceu aproximadamente no período de um mês, entre o mês de março e abril/2014, acompanhado de uma série de outras situações pessoais que não cabe ser divulgada;

Diante do relato acima, depois da provação, vem a Bênção; Ela veio, inicialmente, sob a forma de mais um Artigo que acabo de postar no Site:

CIÊNCIA X TEOLOGIA

http://www.assuntospolemicosdabiblia.com/ciencia-x-teologia/

Este Artigo é o de número 70, por coincidência um número profético e enigmático;

Sugiro a sua leitura e espero que seja abençoado.

Para uma melhor visualização do Site use Google Chrome;

Para uma leitura prolongada e confortável use a resolução de Tela de 800 x 600, e ZOOM igual a 100%

Fique na Paz de Jesus.

Onir

4 Responses to Considerações Gerais

  1. Rubem Luckwu da Silva

    Boa noite irmão, que a paz de DEUS e do seu filho JESUS CRISTO sempre esteja no em
    teu coração.
    Li o livro assuntos polêmicos da Bíblia, muito bom.
    Muitos podem até não acreditar, mais eu não.

  2. João Oliveira Neto

    Onir,

    Como voltar “justificado” para casa?
    Há um relato bíblico, narrado pelo próprio Jesus, que nos faz pensar sobre a maneira de Deus agir na vida do pecador, em especial sobre o nosso “conceito” de salvação e vida santificada.

    “Propôs também esta parábola a alguns que confiavam em si mesmos, por se considerarem justos, e desprezavam os outros: Dois homens subiram ao templo com o propósito de orar: um, fariseu, e o outro, publicano. O fariseu, posto em pé, orava de si para si mesmo, desta forma: Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros, nem ainda como este publicano; jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho. O publicano, estando em pé, longe, não ousava nem ainda levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, sê propício a mim, pecador! Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque todo o que se exalta será humilhado; mas o que se humilha será exaltado” (Lucas 18:8-14).

    Jesus utilizou dois personagens bem antagônicos: um FARISEU e um PUBLICANO. O primeiro odiava o segundo, por considerá-lo “impuro” e traidor, pois os publicanos eram judeus que trabalhavam para os romanos, normalmente em funções “públicas” – cobrar impostos, por exemplo – (por isso “publicano”).

    Mas, novamente, Jesus procura mostrar o quanto a religião meramente exterior e baseada nas obras próprias (legalismo) é inoperante diante de Deus. Enquanto que o fariseu baseava sua “importância” naquilo que fazia de “bom”, o publicano se achegava a Deus com a certeza de sua “impotência”, e amparado unicamente na misericórdia divina para a sua vida.

    Algo mudou de lá para cá?

    Creio que não!

    A salvação continua, e continuará, baseada unicamente na fé em Cristo e na Sua infinita graça (cf. Rom. 1:16-17). Este é o “poder” (literalmente, a “dinamite”) do Evangelho em nossa vida, que destrói as amarras do pecado e nos liberta para uma nova vida de graça e santificação.

    Como diz Max Lucado:
    “Nada do que você faz pode fazer com que Deus o ame mais…
    E nada do que você faz pode fazer com que Deus o ame menos”.

    Na cena apresentada por Jesus estavam duas pessoas pecadoras:
    - Um se considerava altamente fiel e consagrado, cheio de orgulho “santo” por ser uma pessoa socialmente íntegra, e ainda revelava tremenda presunção, pois acreditava ser muito melhor do que outros que não faziam o “bem” que ele fazia.
    - O outro era um homem igualmente pecador, porém com um profundo sentimento de humildade diante de Deus, pois sabia do seu alto grau de afastamento do Senhor (certamente ele tinha consciência de seus muitos pecados), e acreditava que somente amparado na misericórdia de Deus é que ele alcançaria algum benefício.

    Um dizia: “Obrigado, Senhor, porque sou um homem tão puro e santo, bem diferente destes miseráveis que me rodeiam. Faço tudo certinho e minha religião é um modelo para as outras pessoas. Estou quase no ponto de ser trasladado. Pode deixar que eu continuarei ensinando estes coitados a viverem esta vida abençoada na qual eu vivo”.

    O outro dizia: “Meu Deus, estou envergonhado em vir na Tua presença santa. Sei que sou pecador e sei que o Senhor tem muitos motivos para não gostar de mim. Mas minha vida é uma miséria longe de Ti, não tenho prazer nela. O Senhor sabe que eu quero mudar e que eu necessito de Tua mão a me ajudar. Por favor, meu Deus, não olhe para este Teu servo miserável, mas me ajude. Não tenho outra alternativa!”.

    Quanta diferença! Quanta saberia de Jesus em contrastar estas duas vidas!

    Orgulho x humildade
    Presunção x fé
    Egoísmo x amor ao próximo
    Santarrice x santificação

    Você, hoje, se considera um fariseu ou um publicano?
    Você, hoje, baseia sua fé naquilo que você acredita que está fazendo de bom, ou apenas na misericórdia de Deus em sua vida?
    Você, hoje, costuma se comparar com seus “irmãos” e acredita ser mais “justo” do que alguns deles, ou se coloca no mesmo “barco” e admite que é tão miserável quanto os demais?
    Você, hoje, está no time dos que apontam os dedos acusativos, ou no daqueles que não conseguem levantar os olhos diante da santidade de Deus?

    Eu e você não temos motivos para vivermos uma fé legalista. Este texto de Lucas, que hoje é tão acessível para nós, não estava à disposição da Igreja em seus primeiros anos. Eles tiveram que manter sua fé de forma tão viva, unicamente através da experiência pessoal que mantinham uns com os outros e todos com Deus.

    Nós, hoje, nos deixamos dominar pela frieza, pela “mornidão” laodiceana, e preferimos nos considerar “ricos e abastados”, achando que não temos falta de nada (dou o dízimo, guardo o sábado, levanto de madrugada, não como isso, não bebo aquilo, me visto assim, me visto assado…), e não temos mais a consciência do profundo pecado que está arraigado na nossa natureza, lá no fundo, e que por tantas vezes tem se revelado através dos pequenos (ou grandes) gestos de egoísmo, presunção, vaidade, orgulho, crítica, maledicência, inveja, luxúria, etc.

    Qual dos dois voltou “justificado” (ou seja, SALVO) para sua casa? O que aparentava ser santo e justo, ou o que aparentemente era um perdido sem nenhuma esperança de salvação?

    Jesus deu a resposta!

    Por isso, da próxima vez que formos tentados a olhar os outros através de um “patamar superior”, “de cima”, agradecendo a Deus por não sermos uma prostituta, um drogado, um alcoólatra, um ladrão… um político corrupto, um ator espírita, um profissional inescrupuloso ou mercenário… etc… lembremos que somos tão (ou mais) indignos do favor divino quanto qualquer um outro ser humano, por isso UNICAMENTE PELA GRAÇA, mediante nossa fé sincera, seremos salvos e poderemos, ao final de um culto na Igreja, voltarmos “justificados” para nossas casas.

    Que o Senhor tenha misericórdia de todos nós, e nos ajude a tirar as traves que nos impedem de vermos a Sua graça!

    “Ó Deus, sê propício a mim, pecador!”

  3. João Oliveira Neto

    Onir,

    Há alguns meses estudamos na Lição da Escola Sabatina sobre a revelação de Deus. Para ampliar a compreensão deste tema, em especial com relação à Palavra escrita de Deus (pois muitos enviam comentários com este tipo de dúvida), quero disponibilizar aqui um excelente material do Dr. Wilmar Gonzalez.

    É Possível Surgir algo do Nada?
    Na Natureza, “nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”.
    Newton mandou um mecânico hábil e engenhoso fazer-lhe uma reprodução exata do sistema solar, em miniatura. No centro havia uma bola dourada representando o Sol. Em redor dessa haviam outras bolas fixas nas pontas de braços de vários comprimentos, representando Mercúrio, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno. Posto em movimento por uma manivela, essas bolas giravam em redor do “Sol” em harmonia perfeita.

    Certo dia, quando Newton se achava assentado na sua sala de trabalho, entrou seu amigo céptico. Grande cientista que era, reconheceu num relance o propósito da máquina colocada sobre uma mesa. Pondo o mecanismo em movimento, ficou deveras admirado, percebendo as bolas movendo e girando cada uma na sua própria órbita e na sua relativa velocidade. Afastando-se um pouco para a admirar, exclamou: “Mas, que maravilha. Quem a fez?”
    Newton, sem levantar os olhos do livro que lia, respondeu: “Ninguém”. O céptico, virando-se para Newton, retrucou: “Você não entendeu. Perguntei quem a fez?”.
    Levantando os olhos, Newton assegurou-o solenemente que ninguém a fizera, que o conjunto da matéria, tão admirado, assumira por acaso a forma em que estava.

    O céptico, estupefato e visivelmente irritado, respondeu: “Tu achas que eu sou um doido? Por certo alguém a fez, alguém dotado de alto poder intelectual, e quero conhecê-lo”.
    Newton, pondo o livro a um lado, levantando-se e colocando a mão sobre o ombro de seu amigo, disse: “Essa máquina é uma fraca imitação de um sistema infinitamente superior, cujas leis tu conheces, e não consigo convencer-te de que esse brinquedo não tem inventor nem fabricante. Ora, dize-me pela qual sorte de raciocínio chegas a uma conclusão tão discordante?”.
    Não é necessário acrescentar que o céptico ficou convicto da verdade e tornou-se crente firme no Deus que criou os céus e a terra.

    Autenticidade da Bíblia
    1. SUA UNIDADE
    Quarenta escritores, oriundos das mais variadas camadas sociais e culturais, vivendo desde cerca de 1.500 anos a.C. a aproximadamente 100 d.C.; escrevendo ao longo de quase 1.600 anos, não se contradizem. Pelo contrário, seus escritos se complementam.

    2. SUAS PREDIÇÕES
    As predições bíblicas, especialmente as que são determinadas por anos (Ex.: 1260, 490, 2300) cumpriram-se ou estão se cumprindo com precisão matemática, e a História Universal confirma.

    3. SUA HARMONIA COM A CIÊNCIA
    Muitas vezes a Ciência humana precisou corrigir seus conceitos, enquanto a Bíblia nunca precisou voltar uma letra sequer.
    Algumas vezes houve discordância entre a Bíblia e a Ciência, no entanto a Ciência precisou se retratar, mas a Bíblia nunca.
    • Ex. Na Idade Média acreditavam que a Terra estava apoiada sobre quatro elefantes e estes sobre uma tartaruga; também criam que a Terra era quadrada. Porém, cerca de 1.500 anos a.C. o autor do livro de Jó já afirmava que a Terra não se apoiava em nada e que era redonda – Jó 26:7; 37:12.

    A Ciência humana que mais se harmoniza com a Bíblia é a Arqueologia. As escavações e descobertas arqueológicas têm comprovado a veracidade dos escritos sagrados no que diz respeito a cidades antigas, guerras, reis, etc.

    4. SEU PODER TRANSFORMADOR
    É ilimitado o número de vidas irregulares e depravadas; viciados e criminosos em geral, que tiveram as suas vidas transformadas para o bem.

    5. OUTROS PONTOS A CONSIDERAR
    Sua concisão, veracidade, atualidade, aceitação por parte de sábios, filósofos, cientistas, etc., e sua perpetuidade; apesar de ser o livro mais combatido, a Bíblia continua sendo o livro mais vendido no mundo.
    Considere-se ainda o ciclo semanal de 7 dias. Sua origem e propósito são explicados unicamente no relato da criação em Gênesis 1 e 2.
    Esta divisão de tempo é aparentemente irrazoável.
    • Por exemplo: O dia, de 24 horas, marca o espaço de tempo gasto pelo planeta Terra para dar uma volta completa em torno de si mesmo (Movimento de rotação); o ano (365 dias e quase 6 horas) representa o tempo gasto pela Terra para dar uma volta completa em sua órbita ao redor do Sol (Movimento de translação).

    Mas, e a semana de 7 dias? Não é invenção humana. Sua origem é DIVINA. Refere-se ao tempo gasto por Deus para criar nosso planeta com toda a vida que nele existe, mais o 7º dia, o Sábado, para ser usado pelo homem como dia de “Re – criação” – descanso físico, relembrar o Criador e Adoração (cf. Gên. 2:1-3; Êxo. 20:8-11).

    Inclusive, “se o sábado houvesse sido universalmente guardado, não haveria ateus”, segundo a escritora Ellen White, pois a cada sétimo dia, a Criação estaria sendo lembrada e comemorada.
    Observa-se, pois, que a divisão de tempo em semanas de 7 dias, além de ter sua origem em Deus, atravessou os séculos e milênios, sendo ainda observada não apenas por criacionistas mas também por ateus e evolucionistas.

    Superioridade da Bíblia como Fonte de Conhecimento
    Sobre todas as áreas do saber humano, a Bíblia se pronuncia:
    1) Astronomia – Jó 26:7; 38:31-35; Isa 40:22; Sal 19:1-3; Jer. 33:22
    2) História – Egípcios, Assírios, Babilônios, Medos, Romanos, etc.
    3) Geografia – Lugares mencionados, todos confirmados pela Arqueologia.
    4) Matemática – Precisão das profecias.
    5) Estatística – Vários censos e recenseamentos são mencionados.
    6) Literatura – Jó
    7) Política (Ciência de bem governar) – Moisés, José, Reis em Geral.
    8) Psicologia – Prov. 23:7; 17:22 e outras passagens.
    9) Sociologia – Mateus 7:12.
    10) Direito (Leis) – Código Mosaico.
    11) Filosofia – Provérbios, Ensinos de Cristo.
    12) Filologia – Estudo de vocábulos e seus significados.
    13) Medicina – Leis de Higiene e Saúde – Levítico 11:15. / Remédios: II Reis 20:7.
    14) Fisiologia – Lev. 17:11
    15) Botânica – Árvores, flores, etc.
    16) Zoologia: Prov. 30:19-31.
    17) Ética – Luc. 14:8-10
    18) Romance – Rute, Ester.
    19) Estratégia Militar – Josué, Juizes, Samuel, Reis, etc.
    20) Biografias – José, Daniel, Ester, Davi, Jesus, Paulo, Pedro, Maria, Ana, etc.
    21) Religião – É o aspecto mais salientado em toda a Bíblia.

    Não há do que duvidar: a Bíblia é mesmo a Palavra de Deus, e precisa ser nossa constante fonte de estudo, pesquisa e meditação.

  4. Prezados Leitores

    Não sou um Adventista, sou um Assembleiano, porém quero deixar claro que postei o Comentário acima por ser um problema que envolve todos os Sistemas Religiosos Evangélicos, e serve de Reflexão para todos nós;

    Onir

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Copyright © 2014. All Rights Reserved. Designed by PsPrint online printing
Thanks to: Try free printable calendar templatesCustom calendar printinghomeinbayarea.com