A IGREJA DE CRISTO E O DÍZIMO DOS DÍZIMOS

colheita[1]

Diante de um assunto da maior importância teológica para a Obra de Deus, resolvi deixar a minha abordagem sobre o DÍZIMO DOS DÍZIMOS( Números 18:26) (Neemias 10:38) ( Hebreus 7: 9 ):

 Números 18: 26 = “Também falarás aos levitas, e lhes dirás: Quando receberdes os dízimos da parte dos filhos de Israel, que vos dei por vossa herança, deles apresentareis uma oferta ao Senhor: os dízimos dos dízimos”

 Neemias 10: 38 = “O Sacerdote, filho de Arão, estaria com os levitas quando estes recebessem os dízimos, e os levitas trariam os dízimos dos dízimos, à casa do nosso Deus, às câmaras da casa do tesouro”

 Hebreus 7: 9 = “E por assim dizer, também Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos ( dízimos dos dízimos ) na pessoa de Abraão”

DÍZIMO
 
O Dízimo é citado pela 1ª vez em Gênesis 14: 18 a 20, envolvendo teologicamente e enigmaticamente a figura de um Sacerdote (Melquisedeque) e Abraão, o Patriarca da Promessa da Salvação pela Fé – o profético enigmático primeiro dizimista.

Especulações não faltam nas publicações sobre Mesquisedeque, além do que a Bíblia registra;

Para se entender o significado teológico desse registro bíblico sobre o Dízimo para a Igreja de Cristo, necessário se faz um entendimento teológico da pessoa de Mesquisedeque, em relação a Jesus, com origem ENIGMÁTICA no Período Edênico, onde Adão era um Sumo Sacerdote, e, JESUS era ( É ), simbolicamente, a Árvore da Vida, como vou descrever a seguir:

 ADÃO O SUMO SACERDOTE

Existem assuntos teológicos que a pessoa que não possui conhecimentos bíblicos, nos aspectos de doutrina e ensinamentos Divinos, não consegue entender, sem uma explicação.

Desta forma vou usar apenas termos mais comuns para expor o que o título acima quer dizer.

A religião judaica foi toda alicerçada nas Leis que Moisés recebeu de Deus.

O Templo, ou Santuário tinha um lugar especial chamado Santo dos Santos ou Santíssimo, onde somente o Sumo Sacerdote poderia entrar, para falar com Deus, (Lêvítico 16: 34).

Ficou estabelecido que o Sumo Sacerdote entraria ali uma vez por ano para interceder pela nação (povo).

O Sumo Sacerdote não poderia estar em pecado, pois se assim acontecesse, ao entrar ele morreria, tanto é que era ligado pela cintura por uma corda de fora para dentro, pois se acontecesse de ser fulminado, por causa do pecado, seria puxado para fora, pela corda.

No Santo dos Santos estava a Arca da Aliança que representava a aliança de Deus com Israel.

Dentro da Arca estavam os Dez Mandamentos.

O Éden era, por comparação, um Santuário;

O Jardim do Éden, por comparação, o Santo dos Santos, ou Santíssimo, onde Deus se fazia presente.

A Árvore da vida, por comparação, era a Arca da Aliança, tipificando Jesus

A Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, por comparação, era o pecado que Sumo Sacerdote não podia ter em seu corpo, e que Adão por desobediência se deixou contaminar morrendo espiritualmente.

Adão era uma espécie de Sumo Sacerdote, por comparação, pois foi colocado especialmente no Jardim do Éden (Santo dos Santos) por Deus (Gênesis 2: 8).

Tudo indica que era o intercessor de todos os seus descendentes, como o Sumo Sacerdote de Israel, por comparação.

Tudo indica que a ordem de Deus para encher a Terra (Gênesis 1:28) mostra que os seus descendentes foram se espalhando, mas Adão e Eva permaneceram no Jardim do Éden (Santo dos Santos), por ordem de Deus, como Sumo Sacerdote intercessor, e Eva Auxiliadora.

Adão pecou, morreu espiritualmente, e em conseqüência deixou todos os seus descendentes sem um Sumo Sacerdote Perfeito e Imortal, motivo pelo qual, todos perderam a imortalidade (maldita é a terra por tua causa – Gênesis 3:17).
O Sumo Sacerdote de Israel fazia o sacrifício à tarde, no Templo, diariamente.

Deus, à tarde, diariamente, falava com Adão, no Éden (Gênesis 3:8), sem nenhum impedimento, em face da Perfeição.

Adão foi o primeiro intercessor Perfeito entre Deus e os Homens (Povo)

Moisés foi também um intercessor que falava com Deus, porém através de artifícios (sarça ardente), por causa da imperfeição.

O Sumo Sacerdote de Israel passou a ser o intercessor, após Moisés.

Hoje, o intercessor Perfeito e Imortal é o meu Jesus (Hebreus 7: 25)

É o seu ?!

MELQUISEDEQUE

Tudo indica que Melquisedeque era Sacerdote da Ordem de Adão, isto é, da categoria dos filhos de Deus nascidos antes da Queda de Adão e Eva, sem pai, sem mãe e sem genealogia, isto é, um dos últimos descendentes legítimo nascido no período Edênico (Gênesis 14:18 a 20) (Hebreus 7: 1 a 19) (Salmos 110:4)

Gênesis 14: 18 a 20:
 18 = “E Melquisedeque, rei de Salém trouxe pão e vinho; e era este Sacerdote do Deus Altíssimo”

19 = “E abençoou-o, e disse: Bendito seja Abrão do Deus Altíssimo, o Possuidor do céu e da terra!”

20 = “E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos! E deu-lhe o dízimo de tudo.”

 

ATENÇÃO:
 
Você dá o seu Dízimo aleatoriamente, ou, dá consciente de que é bíblico e no lugar certo. Abraão não deu o Dízimo aleatoriamente, mas consciente de que estava diante de um verdadeiro Sacerdote de Deus, logo, Abraão sabia, pela TRADIÇÃO ORAL, da origem Edênica de Melquisedeque, enigmaticamente.

TRADIÇÃO ORAL = Única explicação para os Ensinos Divinos adquiridos no Éden e passados de geração em geração, antes da Escrita ( Ver este assunto nas páginas 72/74, no Livro indicado no Site ).

 

ENIGMA ENVOLVENDO MELQUISEDEQUE E JESUS
 
Hebreus 7: 17:

 17 = “Porque dele assim se testifica: Tu és sacerdote eternamente, segundo a ordem de Melquisedeque”.

Salmos 110: 4
 
4 = “Jurou o Senhor, e não se arrependerá: Tu és sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque”
Qual é o sentido de tão profunda afirmação ? Quem é maior, Melquisedeque ou Jesus ?
 

 A Árvore da Vida simboliza a presença de Jesus no Jardim do Éden, logo, a enigmática Ordem Sacerdotal tem por base o seguinte:

– A Árvore da Vida (Jesus) ( Gênesis 2: 9 ) ( João 6: 57 ) (A Videira Verdadeira – João 15: 1 );

– Adão ( Gênesis 2: 26 e 27 );

– Melquisedeque ( Gênesis 14: 18 );

– Jesus – isto é, Jesus é o Princípio, Meio e Fim, contextualizando com “Eu sou o Caminho, e a Verdade e a Vida” ( João 14: 6 ), e mais, “quem de mim se alimenta, também viverá por mim” ( João 6: 57 ).

 RACIOCÍNIO LÓGICO: Teologicamente, Jesus é Sumo Sacerdote de Sua própria Ordem Sacerdotal Celestial, pela Sua Divindade, Encarnação e Divindade.

 

Quem consagrou Melquisedeque ao Sacerdócio?
 
 O hiato enigmático que separa Adão de Melquisedeque, e o hiato enigmático que separa Melquisedeque de Jesus, tem explicação conforme ampla exposição a seguir:

Teologicamente Melquisedeque tinha pai e mãe, mas o seu Sacerdócio não tinha genealogia, por ser uma forma enigmática de mostrar que houve nascimento no Éden e que ele era uma figura desse transcendentalismo, em que Adão era Sumo Sacerdote. ( Ver “Genealogia não Registrada” sobre os filhos de Adão e Eva, no Éden, bem como, diversos outros assuntos esclarecedores, nos Artigos e no Livro “Assuntos Polêmicos da Bíblia”, anunciados neste Site )

 Hebreus 7: 3 = “Sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas sendo feito semelhante ao Filho de Deus, permanece Sacerdote para sempre”

“sendo feito semelhante ao Filho de Deus, permanece Sacerdote para sempre” = Expressão Teológica profundamente enigmática, isto é, Semelhante ao Sacerdócio de Jesus, eternamente, que começou no Éden, através de Adão, onde Jesus simbolicamente é a Arvore da Vida;

Com a expulsão de Adão do Jardim do Éden, ele deixou de ser um “Sumo Sacerdote” intercessor, porém sua Ordem Sacerdotal dos nascidos antes da Queda, não cessou conforme nos mostra, enigmaticamente, o Sacerdócio de Melquisedeque;

Para um melhor entendimento:

Melquisedeque era Sacerdote da Ordem de Adão, sem genealogia, por omissão proposital de Deus, em face do transcendentalismo Edênico;

Melquisedeque era Sacerdote segundo a Ordem de Adão, e Jesus é Sumo Sacerdote segundo a Ordem de Melquisedeque como CONSOLIDAÇÃO e continuação transcendental de Ordem Celestial, com início no Éden e Jardim do Éden – Paraíso;

Melquisedeque era um remanescente, enigmático, da Ordem de Adão que começou no Éden, assim como, os levitas eram da Ordem de Arão. Única explicação Teológica para Melquisedeque aparecer registrado subitamente e enigmaticamente como Sacerdote do Deus Altíssimo, sem princípio de dias, sem genealogia, e fim de existência, como forma enigmática deixada por Deus sobre tão profundo Sistema Sacerdotal, isto é, Imagem e Semelhança do Celestial, que em Jesus Cristo é o Princípio, Meio e Fim, contextualizando com a Árvore da Vida – Jesus – em Gênesis 3: 24 e Apocalipse 2: 7.

Gênesis 3: 24 = “E, expulso o homem, colocou querubins ao oriente do jardim do Éden e o refulgir de uma espada que se revolvia, para guardar o caminho da árvore da vida”
 
APOCALIPSE 2: 7 = “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Deus”.

  PRESTE ATENÇÃO NO DETALHE: A Árvore da Vida está no meio do Paraíso – Jardim do Éden; O Jardim do Éden não foi extinto, assim como, o Sacerdócio nele estabelecido, enigmaticamente:

   Jesus é a Videira Verdadeira, logo, Jesus é a Árvore da Vida, e estava (está) no Jardim do Éden, onde Adão era Sumo Sacerdote, enigmaticamente. ( Ver “A Origem do Mau “, no meu Site );

 DETALHE SIGNIFICATIVO :

Ordem Sacerdotal Celestial, enigmaticamente, não tem princípio de dias, nem genealogia e nem fim de existência, como afirma a Bíblia sobre Melquisedeque e Jesus

Melquisedeque não era imortal, e sim o Sacerdócio que ele estava investido é Eterno, POR SUA ORIGEM NO PARAÍSO – Jardim do Éden, e nem era um Sumo Sacerdote, como Adão, no Éden, enigmaticamente.
 
 Jesus NÃO é Sumo Sacerdote da Ordem de Arão e de Levi; Jesus é apontado, enigmaticamente, como Sumo Sacerdote da Ordem de Melquisedeque (Salmos 110:4) (Hebreus 7:17), que enigmaticamente teve origem, ao que tudo indica, no transcendentalismo Edênico – Paraíso – Jardim de Deus

 Um Jardim é uma extensão de um Lar na vida Humana, logo, o Jardim de Deus de Gênesis 2: 8, é uma extensão do Reino do Céu que foi estabelecida de forma sobrenatural aqui na Terra, onde Deus se fazia presente, contextualizando com a afirmação de Gênesis 3: 24 que afirma está o Jardim do Éden guardado por Querubins, isto é, não foi extinto, assim como, o Sacerdócio nele estabelecido;

Gênesis 3: 24 = “E, expulso o homem, colocou querubins ao oriente do jardim do Éden e o refulgir de uma espada que se revolvia, para guardar o caminho da árvore da vida”

APOCALIPSE 2: 7 = “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Deus”.

PRESTE ATENÇÃO NO DETALHE: A Árvore da Vida está no meio do Paraíso – Jardim do Éden; O Jardim do Éden não foi extinto, assim como, o Sacerdócio nele estabelecido, enigmaticamente:
 O Jardim do Éden, onde Deus se fazia presente, por comparação, tem sentido de Santo dos Santos ou Santíssimo, logo, não tenho medo de errar ao afirmar que Adão era um Sumo Sacerdote, de Ordem Celestial, aqui na Terra, em estado de Perfeição, PARAÍSO, antes da Queda.

Prova de tão ousada afirmação está no fato de que Deus todas as tardes comparecia no Jardim do Éden para falar e dar instruções ao “Sumo Sacerdote” Adão ( Gênesis 3: 8 );

O Sumo Sacerdote de Israel todas as tardes fazia sacrifícios no Templo – O Sacrifício Final de Jesus foi à tarde, contextualizando com a hora nona (15:00 horas ), do Sacrifício no Templo;

Adão era Sumo Sacerdote segundo Ordem Celestial onde o Éden era o Tabernáculo/Templo, e o Jardim do Éden era o Santo dos Santos ou Santíssimo, enigmaticamente, e onde Deus se fazia presente todas às tardes, contextualizando simbolicamente com Hebreus 8: 5 e Hebreus 9: 23 a 28:

 Hebreus 8: 5 = “os quais ministram em figura e sombra das cousas celestes, assim como foi Moisés divinamente instruído, quando estava para construir o tabernáculo, pois diz ele: Vê que faças todas as cousas de acordo com o modelo que te foi mostrado no monte”

figura e sombra das cousas celestes” = como o Éden e o Jardim do Éden, por comparação explicado, em relação ao Tabernáculo e o Templo, e, o Santo dos Santos ou Santíssimo;

Hebreus 9: 23 a 28:
 
 23 =”Era necessário, portanto que as figuras das cousas que se acham nos céus se purificassem com tais sacrifícios, mas as próprias cousas celestiais com sacrifícios a eles superiores”

24 = “Porque Cristo não entrou em santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para comparecer, agora, por nós, diante de Deus

Preste ATENÇÃO na afirmação da frase: “figura do verdadeiro”
 
 25 = “nem ainda para se oferecer a si mesmo muitas vezes, como o sumo sacerdote entra cada ano no Santo dos Santos com sangue alheio”

26 = “Ora, neste caso, seria que ele tivesse sofrido muitas vezes desde a fundação do mundo; agora, porém, ao se cumprirem os tempos, se manifestou uma vez por todas, para aniquilar pelo sacrifício de si mesmo o pecado”

27 = “E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez e, depois disso, o juízo”

28 = “assim também Cristo, tendo-se oferecido uma vez para sempre para tirar o pecado de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o aguardam para a salvação”

Pense nisso:

Adão é o único, além de Jesus, que é chamado de filho de Deus, pelo nome, em toda a Bíblia (Lucas 3:38). Quase imperceptível.

A referência de filhos de Deus, ao que tudo indica, está relacionado com a descendência de Adão e Eva antes da Queda (Pecado), sem genealogia (Gênesis 6:2-4) (Jó 1:6; 2:1; 38:7), como explicado:

Jó 1:6 e Jó 2:1: “Num dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o Senhor”… contextualiza com a expressão sobre apresentar-se perante o Senhor em: (Levítico 1:3,11; 3:7,12; 4:4,7,24).

Apresentar-se perante o Senhor é uma expressão teológica referente aos Sacerdotes, que se apresentavam perante o Senhor no deserto, no Tabernáculo, no Santo dos Santos (Números 11:16 e 17), logo, o texto de Jó 1:6 e 2:1, ao que tudo indica, se refere a Sacerdotes, da Ordem dos filhos de Deus, da Ordem de Adão, enigmaticamente, sem genealogia.

Se a Bíblia afirma que Melquisedeque é Sacerdote de Deus, sem genealogia, então não há dúvida de que é da Ordem dos filhos de Deus, e da Ordem de Adão, com origem no transcendentalismo Edênico, isto é, sem genealogia

Melquisedeque está entre Adão e Jesus como Sacerdote, sem genealogia, como afirmação teológica de sentido enigmático em relação a Ordem Sacerdotal Celestial estabelecida aqui na Terra a partir do Éden e Jardim do Éden;

 

PRESTE ATENÇÃO NO DETALHE TEOLÓGICO:
 
 No Éden era Deus quem comparecia no Jardim do Éden para falar e dar instruções ao “Sumo Sacerdote” Adão, em face do estado de Perfeição;

Após a Queda eram os filhos de Deus – Sacerdotes – que compareciam perante o Senhor, enigmaticamente, bem como, era o Sumo Sacerdote de Israel que comparecia perante o Senhor no Santo dos Santos;

Jesus – Sumo Sacerdote da Ordem de Melquisedeque – penetrou no Céu, para comparecer diante de Deus, uma vez por todas, isto é, para sempre ( Hebreus 9: 23 a 28 ).

Raciocínio lógico:

Jesus é Sacerdote segundo a Ordem de Melquisedeque e Melquisedeque é Sacerdote segundo a Ordem Celestial em Adão, enigmaticamente.

Qual a importância prática de Melquisedeque, Rei de Salém ( depois Jerusalém ), para a Obra de Deus?

Com Melquisedeque foi instituída por Deus a prática do Dízimo, através do Patriarca Abraão;

 Por que Abraão deu conscientemente o Dízimo como explicado anteriormente? Até aquela data ou momento das Escrituras não há nenhum registro de ensino ou prática de Dízimo como forma de sustento e condução da Obra de Deus; Melquisedeque sendo Rei, não precisava. (Gênesis 14:18)

O gesto de Abraão foi profético, confirmado por Jacó em Gênesis 28: 22 e consolidado a partir de Levítico 27: 32, servindo de “AIO”, da Lei para a Graça, conforme Gálatas 3: 24:

Gálatas 3: 24 = “De maneira que a Lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que, pela fé, fôssemos justificados”

  “Aio” = Do Grego “paidagogós” = Guia;

 “Aio” = Guia da Lei para a Graça; Graça é favor imerecido.

“pela fé” = por Abraão – o “pai da fé”

Se, através de Abraão, o “Patriarca da Fé”, Melquisedeque foi motivo de Dízimo, sendo Rei de Justiça e de Paz, e, Jesus é Sumo Sacerdote da Ordem de Melquisedeque, logo, Sua Igreja é motivo também do Dízimo dos seus fiéis, assim, como, Deus não precisa.

Mesquisedeque, Rei de Salém ( Jerusalém ), Sacerdote perpetuamente, Rei de Justiça e de Paz, feito semelhante ao Filho de Deus ( Hebreus 7: 3 ) contextualiza com Reinado futuro de Jesus, Filho de Deus, através de Jerusalém, e, Sacerdócio de Justiça e de Paz, e, que não tem Fim (Zacarias 14: 9 ).

“Salém” = Nome da cidade que mais tarde transformou-se na Cidade de Jerusalém
 

  MEQUISEDEQUE – O PÃO E O VINHO

  A importância teológica e PROFÉTICA de Melquisedeque para a Igreja de Cristo não se prende apenas na Cidade de Jerusalém e na criação – origem – do Dízimo, como forma de sustento e condução da Obra de Deus

Temos também o fato de Melquisedeque servir a Abraão o Pão e o Vinho, num gesto profético da Santa Ceia. Não se esquecer que Jesus está ligado a Melquisedeque por Ordem Sacerdotal (Salmos 110: 4)(Hebreus 7: 17), enigmaticamente e transcendentalmente, Teológico Bíblico.

Jesus é Sumo Sacerdote segundo a Ordem de Melquisedeque, enigmaticamente, e transcendentalmente, segundo a Ordem de Adão -

Melquisedeque ao servir a Abraão o Pão e o Vinho estava praticando enigmaticamente um gesto profético da Santa Ceia que Jesus instituiu; Breve estarei postando o Artigo “O ENIGMA DA SANTA CEIA”, cuja profundidade teológica transcende o entendimento conhecido. Não deixe de acompanhar.

Abraão ao dar espontaneamente o Dízimo para o Sacerdote Melquisedeque estava praticando um gesto profético da maior importância para o futuro da Igreja de Jesus Cristo, segundo Sua ligação com a Ordem de Melquisedeque, em Hebreus 7: 17 e Salmos 110: 4;

Preste Atenção no contexto bíblico acima relacionando Abraão, o Dízimo, O pão e o Vinho (Santa Ceia), Rei de Salém (Jerusalém), profeta e Sacerdote Melquisedeque perpetuamente; Rei de toda a Terra ( Zacarias 14: 9 ), cuja Capital será Jerusalém, Profeta e Sumo Sacerdote Jesus, Eterno.
 

  DÍZIMO DOS DÍZIMOS

 

  Todo cristão evangélico conhece a importância do Dízimo na Obra de Deus.

O fundamento ou princípio é de que 100% de tudo pertencem a Deus, nós apenas somos Mordomos de tudo o que possuímos e adquirimos pelo trabalho, considerando o Princípio Teológico de que todas as coisas foram feitas dEle, por Ele e para Ele ( Romanos 11: 36 ) ( João 1: 3 ) ( Colossenses 1: 16 );

Deus nos concede que fiquemos com 90% e os 10% restantes devemos devolver-Lhe, através da Igreja de Cristo, segundo o Princípio Teológico da Ordem de Melquisedeque ( Gênesis 14: 18 a 20 ) ( Hebreus 7: 9 ); Jesus é Sacerdote segundo a Ordem de Melquisedeque, enigmaticamente e transcendentalmente;

Todo este princípio aplica-se à Pessoa Física e Jurídica. Uma Empresa também está incluída neste princípio, isto é, 10% do lucro líquido pertencem a Deus, para a Sua Empresa (Igreja), na face da Terra.

Lucro Líquido = Lucro depois de descontado todos os encargos e o Imposto de Renda

Se o Dízimo é uma bênção para a Pessoa Física, assim também acontece com a Pessoa Jurídica, pois a Palavra de Deus garante (Malaquias 3:10), obedecendo o princípio da Palavra Profética da Graça e não da Lei;

A Igreja, como uma instituição Jurídica e Espiritual, não pode ficar fora desse princípio, logo, 90% das entradas devem ser para a obra local (Jerusalém, Judéia e Samaria – Atos 1:8 – 90%), e 10% não lhe pertence como princípio Universal do Dízimo, e em conseqüência devem ser empregados em Missões ( transcultural ) (Confins da Terra – Atos 1:8b – 10%), com Missionários sob sua responsabilidade direta ou através de Organizações Missionárias. (Dízimo dos Dízimos – Números 18:26) (Neemias 10:38) ( Hebreus 7: 9 ), considerando o Princípio Teológico da Graça, e não da Lei; NÃO ESQUECER QUE A Lei serviu de “aio” ( Gálatas 3: 24 ).

 “Aio” = Conforme Gálatas 3: 24, isto é, da Lei para a Graça.

 Gálatas 3: 24 = “De maneira que a Lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que, pela fé, fôssemos justificados”

 Gálatas 3: 25 = “Mas, depois que a fé veio, já não estamos debaixo de aio”

Quem recebe os Dízimos fica obrigado a dar o Dízimo dos Dízimos, como Princípio Teológico. O importante é que 10% não fiquem com a Igreja local, obedecendo ao princípio Teológico do Dízimo dos Dízimos, pela Graça e não pela Lei.;

Teologicamente eu ouso afirmar que se as Igrejas Evangélicas, desde há muito, obedecessem religiosamente o princípio Universal do Dízimo, em sua Administração, o Mundo já estaria evangelizado, e Satanás não teria ocupado o espaço que ocupou.

Princípio Universal do Dízimo, considerando a Ordem de Melquisedeque, e não a Ordem de Arão.

Teologicamente eu entendo que 10% das entradas de uma Igreja pertencem a Missões ( Transcultural), obedecendo o princípio Universal do Dízimo – Confins da Terra (Atos 1:8b).

MISSÕES não é o plural de missão, e sim, representa teologicamente, evangelizar aquém e além.
 

 Pense nisso:

  Pense nisso que você leu acima, quando assistir um(a) missionário(a) ocupar o Púlpito de sua Igreja para falar de Missões.

É desalentador ouvir um Missionário(a) usar o Púlpito de uma Igreja para falar dos recursos para Missões;

De tanto ouvir os Missionários(as) falar do Ide de Jesus ( Marcos 16: 15 ), e não falar sobre o Dízimo dos Dízimos, na aplicação em Missões, cheguei à conclusão que em parte os Missionários(as) são tímidos quanto ao problema da falta de recursos na Obra Missionária.

Os Missionários(as) falam da necessidade do Ide como incentivo aos vocacionados, mas não questionam as Lideranças para cumprirem a Palavra de Deus no tocante aos 10%, no mínimo, das entradas no caixa da Igreja, para Missões – Dízimo dos Dízimos.

Certamente não tinham conhecimento teológico sobre o assunto. Agora, depois de ler este Artigo, não têm mais desculpa, principalmente se não houver refutações em Exegese e Hermenêutica, contextualizada; O Tempo da Igreja – Graça – está chegando ao fim.

Pense no Dízimo como um Princípio Universal que antecede à Lei, que serviu de “aio” para a Graça, partindo de um Sacerdote ligado PROFETICAMENTE, teologicamente e enigmaticamente a Jesus ( Salmos 110: 4 ) ( Hebreus 7: 17 ). Ignorar este detalhe bíblico é o mesmo que ignorar os Enigmas de Deus, e, ignorar a Teologia que é a Ciência dos Enigmas de Deus.

Durante 3 (três) anos estou na Internet divulgando o meu entendimento Teológico, e esperando refutações contextualizadas em Exegese e Hermenêutica.

PARA REFLEXÃO
 
 Jesus não refutou ( Mateus 23: 23 ) ( Lucas 11: 42 ) e nem estabeleceu o Dízimo como uma Ordenança como fez com o Batismo e a Santa Ceia, mas deixou uma Ordem para que se examinasse as Escrituras, dizendo que ELAS testificam dEle; – por extensão, por Ele , para Ele ( Romanos 11: 36 ) ( João 1: 3 ).( Colossenses 1: 13 a 23 ).

Desta forma, o Dízimo para a Igreja de Cristo não é obrigatório, mas teologicamente é Bíblico para quem quer fazer a Obra de Deus, tanto para quem o dá, como para quem tem a responsabilidade de Administrá-lo, com zelo e temor, segundo a Graça e o Amor de Jesus, e, não segundo a Lei…

 

ESCLARECIMENTO
 
 O meu objetivo no Artigo, por sinal prolixo, é mostrar que o Dízimo e o Dízimo dos Dízimos é teologicamente Bíblicos para a Igreja de Cristo.

Quanto ao Dízimo de Abraão, que teologicamente está ligado ao Sacerdócio de Melquisedeque, não há nada de errado. Abraão deu o Dízimo, ao que tudo indica, do que era seu, e não dos despojos recuperados. Mesmo que desse dos despojos recuperados, teria sentido, pois foi pela ajuda de DEUS a Vitória de Abraão. Segue os principais versículos para entendimento.: Gênesis 14: 11, 12, 14 ; 16-20 ; 21-24 :

 14 – 11  = Tomaram, então, todos os bens de Sodoma e de Gomorra com todo o seu mantimento, e se foram.

 14 – 12 =  Tomaram também a Ló, filho do irmão de Abrão, que habitava em Sodoma, e os bens dele, e partiram.

14 – 14 = Ouvindo, pois, Abrão que seu irmão estava preso, levou os seus homens treinados, nascidos em sua casa, em número de trezentos e dezoito, e perseguiu os reis até Dã.

14 – 16 =  Assim tornou a trazer todos os bens, e tornou a trazer também a Ló, seu irmão, e os bens dele, e também as mulheres e o povo.

 14 – 18 =  Ora, Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; pois era sacerdote do Deus Altíssimo;

14 – 19 =  e abençoou a Abrão, dizendo: bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, o Criador dos céus e da terra!

14 – 20 =  E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos! E Abrão deu-lhe o dízimo de tudo.

 14 – 21 Então o rei de Sodoma disse a Abrão: Dá-me a mim as pessoas; e os bens toma-os para ti.

14 – 22 Abrão, porém, respondeu ao rei de Sodoma: Levanto minha mão ao Senhor, o Deus Altíssimo, o Criador dos céus e da terra,

14 – 23 =  jurando que não tomarei coisa alguma de tudo o que é teu, nem um fio, nem uma correia de sapato, para que não digas: Eu enriqueci a Abrão;

14 – 24 =  salvo tão somente o que os mancebos comeram, e a parte que toca aos homens Aner, Escol e Manre, que foram comigo; que estes tomem a sua parte.

Quanto aos que querer comparar o Dízimo relacionando-o ao cumprimento da Lei, não faz sentido, como expliquei na postagem, a não ser na parte Profética, pois são períodos completamente diferentes..

Quanto a Abraão, era um homem de muitas posses. Se alguém entende que ele deu o Dízimo dos Despojos Recuperados, isto é, bens considerados perdidos, e, o Sacerdote Melquisedeque afirmou que Deus o Abençoou na Vitória, então o Dízimo dos Despojos Recuperados foram lícitos. Releia com paciência a referência anterior.

Quanto aos Mercenários do Evangelho, o Apóstolo Pedro profetizou a 2000 anos, em 2ª Pedro 2: 3 e Jesus profetizou em relação aos Falsos Profetas que surgiriam no Final dos Tempos ( Mt 24: 24 );

Não me cabe entrar na discussão dos Escândalos amplamente divulgados pelos meios de Comunicações. Eu posso informar que sou membro de uma Igreja da Assembléia de Deus onde existe uma Diretoria, composta de Tesouraria, Conselho Fiscal, entre outros, que em Assembléia interna, apresenta o relatório financeiro, mensal. Este assunto por medida de segurança não pode ser exposto ao público. Creio que a inteligência entende o motivo;

 

DETALHES SIGNIFICATIVOS:
 
 A origem do Dízimo da Igreja de Cristo está ligada diretamente ao Sacerdócio de Melquisedeque, e, não ao Sacerdócio de Arão, que serviu apenas de “AIO”, conforme explicado;

O detalhe Teológico está no fato de que JESUS possui o Ofício de Sacerdote da Ordem de Melquisedeque, conforme amplamente explanado no início do Artigo. Ver as referências em Salmos 110: 4 e Hebreus 7: 17;

Abraão é o Patriarca da Promessa da Salvação, em Cristo Jesus ( Gênesis 12: 3 ) – enigmaticamente e profeticamente (“em ti serão benditas todas as Famílias da Terra”);

É importante observar que Abraão deu o Dízimo para o Sacerdócio de Melquisedeque de LIVRE e ESPONTÃNEA vontade, logo, o Dízimo para Igreja de Cristo também tem que ser de LIVRE e ESPONTÃNEA vontade, motivo pelo qual Jesus não o transformou em uma Ordenança, como fez com o Batismo e a Santa Ceia

 

A IGREJA DE CRISTO E O DÍZIMO DOS DÍZIMOS
 
 Diante de todas estas considerações sobre o Dízimo meu OBJETIVO foi chamar à atenção para o Dizimo dos Dízimos;

Procurei mostrar teologicamente a autenticidade do Dízimo para a Igreja de Cristo, a fim de chegar ao Dízimo dos Dízimos;

Entretanto, como o assunto é polêmico a discussão gira em torno de sua legalidade para os nossos dias, o que eu em Exegese e Hermenêutica, contextualizada, procurei mostrar que o Dízimo se aplica para a Igreja de Cristo, não de forma imposta, como a Lei dos Judeus, mas de forma espontânea E NECESSÁRIA; Deixei bem claro durante a EXPLANAÇÃO;

Enquanto os fiéis procuram executar sua parte, os Dirigentes na maioria das Igrejas não cumprem o Dízimo dos Dízimos, por falta de observância Teológica, no meu entendimento.

Quem prega o Dízimo para a Igreja de Cristo, teologicamente, fica na obrigação de cumprir o Dízimo dos Dízimos, não por força da Lei, mas por força das Palavras de Jesus ao ordenar que o Evangelho seja Pregado até aos CONFINS da Terra, e não somente na área de ação da Igreja ( Atos 1: 8 ); Sugiro que o Leitor retroceda ao início das postagens onde o Tópico “O Dízimo dos Dízimos” dá maiores explicações;

Desta forma, os CONFINS da Terra, somente SERÃO ALCANÇADOS através de MISSÕES, e, para isso somente com investimento sistemático, onde então o Dízimo dos Dízimos se enquadra como fonte de recursos contínuos, e, proporcional à capacidade da Igreja;

Da mesma forma que o Dízimo pertence à Igreja de Cristo, como explicado no início deste Artigo, da mesma forma, o DÍZIMO dos DÍZIMOS pertence a Igreja Missionária que está nos CONFINS da Terra, isto é, MISSÕES;

Da mesma forma, como os fiéis separam o seu Dízimo, as Igrejas de Cristo que os recebem devem separar o DÍZIMO dos DÍZIMOS e os empregar em MISSÕES (Confins da Terra ).

O Dízimo e o Dízimo dos Dízimos que abordo neste Artigo são Teológicos, e precisa ser entendido neste sentido;

No Tribunal de Cristo ( 2ª Coríntios 5: 10 ) quando Jesus perguntar sobre o Dízimo dos Dízimos aos responsáveis pelos recolhimentos e administração dos Dízimos, qual será a resposta ?

Por fim, e, lamentavelmente, existem os casos anômalos no ensino e prática do recolhimento dos Dízimos, que não devem ser motivo de generalização.

Pior que não praticar o Dízimo, é não praticar o Dízimo dos Dízimos, diante da escala de responsabilidade e Ofício na Obra de Deus.

 PARA SIMPLES REFLEXÃO.

 

Por que o Dízimo dos Dízimos não é assunto do Currículo dos Seminários Teológicos? Esta pergunta eu deixo para os Seminaristas fazerem diretamente ao respectivo Corpo Docente.

Alegar, como justificativa, que a Igreja está em início de formação e construção, para não praticar o Dízimo dos Dízimos, então o Membro tem muitas justificativas semelhantes, muito pelo contrário em ambos os exemplos.

Não tenho receio de errar ao afirmar que se o Dízimo dos Dízimos fosse executado pelos Ministérios ( Igrejas ), em cumprimento à Palavra de Deus, o estímulo em contribuir, pelos Dizimistas, seria amplo e a Profética afirmação de Malaquias 3: 10 cumprir-se-ia, concernente à abertura da “Janela dos Céus”, sobre todo o Ministério ( Igreja ).

A Prevaricação deve ser motivo de preocupação quanto a Vida Eterna, Prêmio, Galardão e Tesouro no Céu. Deuteronômio 32: 51 e 52 afirma que Moisés por uma simples prevaricação deixou de entrar na Terra Prometida, o que deve ser motivo de reflexão por quem tem Ofício diante de Deus.

 

CONCLUSÃO
Você dá o seu Dízimo aleatoriamente, ou, dá consciente de que é bíblico e no lugar certo. Abraão não deu o Dízimo aleatoriamente, mas consciente de que estava diante de um verdadeiro Sacerdote de Deus, logo, ele tinha conhecimento da origem Edênica de Melquisedeque, enigmaticamente, tudo encoberto e revelado, no momento próprio, segundo Deuteronômio 29: 29.

O Dízimo de Abraão foi Profético para a Lei, e serviu de “AIO” para a Igreja de Cristo;

 Hebreus 7: 9 = “E, para assim dizer, por meio de Abraão, até Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos”. ( Almeida – Revista e Corrigida )

 “E, para assim dizer” = só não vê que não quer

 “por meio de Abraão” = profeticamente

 “até Levi, que recebe dízimos” = cumprimento profético através da Lei

 “pagou” = teologicamente e enigmaticamente, compromisso – obrigação Ministerial; Em nenhuma outra referência bíblica o Dízimo é citado com a expressão do verbo “pagar”, como para o Dízimo dos Dízimos em questão.

 “pagou dízimos” = dízimos dos dízimos

A citação de Hebreus 7: 9, isto é, no Novo Testamento, contextualiza em Exegese e Hermenêutica que, profeticamente e enigmaticamente, através de Abraão o Dízimo e o Dízimo dos Dízimos é Bíblico como mostra a LEI ( Levi ) que serviu de “aio” – Divinamente Inspirado – para a Igreja de Cristo

Melquisedeque foi motivo de Dízimo de Abraão, logo, a Igreja de Cristo por ser Jesus da Ordem de Melquisedeque, profeticamente e enigmaticamente, também é motivo dos Dízimos dos seus fiéis.

O Dízimo da Lei foi o cumprimento enigmático do gesto profético de Abraão, e que serviu de “AIO” para a Igreja de Cristo de forma espontânea, como Abraão fez, mas necessária para a Obra de Deus;

Como o Dízimo da Lei serviu de “AIO’ para o Dízimo da Graça, então o Dízimo dos Dízimos acompanha também o mesmo sentido de cumprimento, sendo sua execução uma obrigação Ministerial ( PAGOU ), conforme estudo Teológico apresentado.

Teologicamente eu ouso afirmar que se as Igrejas Evangélicas, desde há muito, obedecessem religiosamente o princípio Universal do Dízimo – Dízimo dos Dízimos – em sua Administração, o Mundo já estaria evangelizado, e Satanás não teria ocupado o espaço que ocupou.

Minha intenção é a Obra de Deus.

PENSE NISSO:

Este Artigo  VOCÊ  poderá recebê-lo em sua Casa:

Adquirindo um CD;

O Artigo em Word postado em seu computador poderá ser impresso;

Pense quantas pessoas você poderá Evangelizar com este Material Impresso em suas mãos;

Imagine aquelas pessoas…

Veja as Promoções no Home através do CD DE POESIA;

Investir no REINO de DEUS é acumular Tesouro no Céu ( Mateus 6: 19 a 21 ).

INDIFERENÇA E INGRATIDÃO

Sobre este Assunto acessar a Seção “O AUTOR”, no Site.

 ………………………………………… X ………………………………………

“Este Artigo é de inspiração posterior à Publicação do Livro anunciado”

Na hipótese de ser importante, SUGIRO A INDICAÇÃO do Artigo e o SITE.

Próximos Assuntos a serem incluídos no Site, paulatinamente:

- O Profético e Enigmático Arrebatamento da Igreja de Cristo

- O Enigma da Grande Tribulação

- O Profético Reino Milenial

- Sinais de Deus antes de Juízo

- Etc

MINISTÉRIOS “CONTAMINADOS”INTRODUÇÃO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

32 Responses to A IGREJA DE CRISTO E O DÍZIMO DOS DÍZIMOS

  1. a paz do s enhor

    O evangelho não cobriu toda a terra, não porque não se dá dizimos, mas sim porque
    a igreja está longe do projeto de Deus no que diz respeito a se preocupar em primeiro
    lugar com o seu reino. Todas as pregações são centradas no homem e em como satisfazê-lo aqui na terra, esquecendo-se que somos todos peregrinos. O dizimo fazia parte das 613 leis dadas por Deus a Moises para o povo judeu, para sustentação dos levitas, e sacerdotes. Essa lei acabou e hoje vivemos na vontade de um outro testador (Jesus Cristo). Os maiores exemplos vem do Missionário/apostolo/evangelista Paulo de tarso, que trabalhava para não por impedimentos ao crescimento do evangelho. O que temos Hoje, é um clero profissional, assalariado( pastores) em franco desrespeito a vontade de Deus. De graça recebestes de Graça daí. Só não percebe isso aqueles que não leem, nem meditam na vontade de Jesus Cristo Hebreus 1:1. As passagens onde Jesus fez alusão ao Dizimo, estão todas antes de sua morte, e portanto ainda vigorava a lei. Dizimo nunca foi dinheiro, basta ler todas as passagens referentes e se notará que sempre foi da novidade do campo e animais.
    Portanto quem prega/pede/recebe dizimos em dinheiro desrespeita a vontade de Jesus e pisa no seu sangue.
    a paz de Jesus.
    Presbitero Jeferson

  2. Todo o meu estudo apresentado tem por objetivo principal mostrar a origem do Dízimo em Abraão, passando pela Lei que serviu de AIO e chegou até a Igreja de Cristo;

    Eu explico que o Dízimo deve ser espontâneo, porém necessário para as condições econômicas atuais;

    Deixei claro que o OBRIGATÓRIO deve ser O DÍZIMO DOS DÍZIMOS, por parte de que recolhe os DÍZIMOS, devendo o DÍZIMO DOS DÍZIMOS ser empregado exclusivamente em MISSÕES;

    Refutar todo o meu embasamento TEOLÓGICO sem apresentar as condições necessárias e suficientes para promover O REINO DE DEUS, diante de um Mundo em transformações, em que o reino das trevas usa de todas as condições científicas e modernas, É ANDAR NA CONTRA MÃO DA IGREJA DE CRISTO.

    Onir

  3. devolver o dizimo eu entendo mas dizimo dos dizimos não entendi.

  4. Prezado Ernesto

    O DÍZIMO DOS DÍZIMOS é a 10ª (décima) parte de tudo que entra na Igreja através dos Dízimos dos Fiéis;

    Assim como o Dízimo deve ser entregue para a Obra de Deus, e não deve ficar com os Fieis, o DÍZIMO DOS DÍZIMOS, não deve ficar na Igreja, e como tal deve ser empregado exclusivamente em MISSÕES, tomando por base o que diz as referências amplamente desenvolvidas no Estudo apresentado:

    Números 18: 26 = “Também falarás aos levitas, e lhes dirás: Quando receberdes os dízimos da parte dos filhos de Israel, que vos dei por vossa herança, deles apresentareis uma oferta ao Senhor: os dízimos dos dízimos”

    Neemias 10: 38 = “O Sacerdote, filho de Arão, estaria com os levitas quando estes recebessem os dízimos, e os levitas trariam os dízimos dos dízimos, à casa do nosso Deus, às câmaras da casa do tesouro”

    Hebreus 7: 9 = “E por assim dizer, também Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos ( dízimos dos dízimos ) na pessoa de Abraão”

    Lamentavelmente o Dízimo dos Dízimos não é obedecido teologicamente.

    Onir

  5. gostei muito do artigo

    • Prezado Miguel

      Obrigado pelo contato e pelas palavras de estímulo.
      Lamentavelmente o Dízimo dos Dízimos não é tratado como um Dogma na composição das Doutrinas dos diversos Sistemas Teológicos do Cristianismo;

      O Dízimo dos Dízimos aplica-se teologicamente na Obra Missionária como explicado no Artigo, porém lamentavelmente isto não acontece…

  6. qual e fundamento do dizimos dos dizimos como eu poderia pagalo como dar na casa do Senhor me especifique AMADO

    • Prezado Erico

      O Dízimo dos Dízimos é obrigação da Igreja e não dos Membros;

      Eu afirmo que o Dízimo dos Dízimos é 10% de todas as entradas na Tesouraria da Igreja e que deve ser aplicada em Missões;

      Releia com atenção o Artigo para entender melhor o Assunto;

      Fique na Paz de Jesus

      Onir

  7. ricardo sousa

    tenho uma duvida a respeito de malquisedeque , ser um descendente de Adão no eden , ja que no diluvio so ficaram a familia de noe
    fique na paz de Jesus

    • Prezado Ricardo

      No meu entendimento Teológico o Dilúvio não foi Mundial, e sim, Regional;

      Eu explico com detalhes no Artigo “Adão e a Origem das Raças’, no Site,

      Abaixo transcrevo um ítem sobre o Assunto do citado Artigo;

      e) E por fim, tudo indica que o Dilúvio não foi Mundial, e sim, Regional, não tendo atingido a Ásia e a África, logicamente, pois que se tivesse atingido esses Continentes, as Raças Amarelo e Negro teriam desaparecido.

      Sugiro ler o Artigo indicado e outros relacionados com Adão para entender o meu pensamento Teológico sobre esse Assunto complexo e enigmático;

      Fique na Paz de Jesus.

      Onir

  8. parabéns, achei fantástico!

  9. Muito boa sua explanação sobre esse polêmico assunto. Tenho estudado e tentado buscar a verdade sobre o dízimo na dispensação da graça.
    Concordo quando dizes que o dízimo ainda hoje é bíblico, por ser anterior a lei, e neste caso praticado de forma voluntária, porém a forma como ele é cobrado hoje não parece ser a mais correta. O púlpito usa Malaquias 10.8-12 e outros textos praticamente como uma ameaça aos que não contribuem segundo o entendimento atual, como se estivéssemos ainda debaixo do peso da lei. “É evidente que pela lei ninguém será justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé.”GL.3.V11
    Se fosse uma ordenança para a igreja atual como muitos pregam, porquê não foi estabelecido e nem mesmo discutido na 1ª Assembleia de Jerusalém? AT 15. Quando alguns fariseus “convertidos” queriam impor aos irmãos recém convertidos o peso da antiga lei.
    Na época da igreja primitiva, quando o dízimo não era uma imposição, os irmãos se sentiam impelidos pelo Espírito Santo a contribuir voluntariamente com a obra de Deus AT. 4.v32 não apenas com a décima parte, mas vendiam seus bens e depositavam tudo aos pés dos apóstolos, de forma que nada faltava e não havia necessitado algum entre eles V.34. Sustentando assim o verdadeiro corpo de CRISTO, a igreja que somos nós mesmos no Senhor e não as instituições e denominações Era um sistema de divisão de bens que parece bem mais justo que o atual.
    Retire o dízimo hoje, e, quantas igrejas sobreviveriam com suas Mega estruturas?
    Não é o dinheiro que deve ser as colunas da igreja, mas a palavra e a graça do Senhor Jesus.
    Abraços!

  10. Olá!
    Em Hebreus 7:18 “…o precedente mandamento foi abrrogado por sua fraqueza e inutilidade…”

    Todo o capitulo 7 de hebreus trata do dizimo e da sucessão sacerdotal.

    Abirrogar segundo dicionario aurelio: anular, cancelar, revogar…
    O que o irmão acha disso?

    • Prezado Adriano

      Obrigado pelo contato e pela oportunidade de explicar melhor o Assunto;

      Quanto ao aspecto de ab-rogar – anular – o Livro de Hebreus está falando da Lei e do Sacerdócio de Arão;

      Precisa ficar entendido que o Dízimo de Abraão foi voluntário e anterior à Lei;

      A Lei serviu de AIO – Guia – para a Graça, muito bem explicado no Artigo ( Gálatas 3: 24 );

      Eu entendo que o Livro de Hebreus ao fazer referência à palavra ab-rogar – anular – está dizendo para os Hebreus – Judeus – que o Sacerdócio de Arão era fraco e insuficiente, diante do Sacerdócio Eterno de Cristo Jesus; (Hebreus 7: 18 ); Não está dizendo que o Dízimo e fraco e insuficiente ou inútil;

      Quanto ao Dízimo o Livro de Hebreus diz que Abraão deu o dízimo de tudo, e não apenas dos despojos, como muitos querem interpretar ( Hebreus 7: 2 );

      No meu entendimento o Dízimo não é obrigatório, segundo o exemplo de Abraão que antecede a Lei;

      O Dízimo de Abraão está ligado ao Sacerdócio de Melquisedeque que por sua vez está ligado ao Sacerdócio de Jesus, logo, o Dízimo é Bíblico para a Igreja de Cristo;

      No meu entendimento é isso que o Autor do Livro está afirmando sutilmente não só para os Judeus, mas também para todos os Cristãos, ao mostrar teologicamente a ligação de Melquisedeque a Jesus, através de Abraão – entendeu?!

      O Dízimo é voluntário e necessário para se manter a Obra do Reino de Deus aqui na Terra;

      Considerando o recebimento do Dízimo fica àquele que o recebe e o administra na obrigação de cumprir o DÍZIMO DOS DÍZIMOS, como eu explico no Artigo, e direcionado exclusivamente para a Obra de Missões;

      Espero ter atendido as expectativas.

      Fique na Paz de Jesus

      Onir

  11. Antonio Roberto

    vai trabalhar querido, ganhar dinheiro como Paulo fazia: FAZENDO TENDAS!, E aproveita e ler uma escritura de paulo escrita aos colossenses que diz: “Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz”. Nesta cédula pode ter certeza, tambem estava o ANTIGO DÍZIMO, bem como sábados, cincuncisão, abstinencia de alimentos e tantas coisas, que a lei de moisés impunha, e subjugava as pessoas. Paz passa bem

  12. Para entender claramente a questão do dízimo, nada melhor do que ler o sagrado livro “O DÍZIMO E A GRAÇA” encontrado gratuitamente no site http://www.odizimoeagraca.com que Deus abençoe a todos.

    • Prezado Irmão em Cristo

      Obrigado pelo contato e pelas informações sobre a Arca da Aliança e Dízimo;

      Quanto a Arca da Aliança tenho postado dois Artigos com ampla exposição sobre o Assunto;

      Quanto ao Dízimo também deixo evidente meu entendimento sobre o Assunto em relação à Igreja de Cristo;

      Deixo claro que não sou contra o Dízimo, porém entendo que deve ser voluntário e necessário para a sustentabilidade da Obra do Reino de Deus;

      No meu Estudo sobre o Assunto eu afirmo que a Igreja que recolhe o Dízimo fica na obrigação de praticar o Dízimo dos Dízimos e aplicá-los em Missões, e isto não está sendo observado, lamentavelmente, pelos diversos Sistemas Evamgélicos;

      Quero deixar também evidente a minha gratidão a todos os Dizimistas ao longo de todos os – perfeitos ou imperfeitos – Períodos da Igreja, que proporcionaram a Manutenção da Obra de Deus para que a Pregação da Salvação em CRISTO Jesus chegasse até a mim = entendeu?!

      Posso afirmar que todos nós que temos o nosso nome no Livro da Vida, hoje, devemos agradecer àqueles que bem ou mal administraram, sobre a Lei ou sobre a Graça, o Dízimo;

      Considero uma temeridade ser contra o Dízimo simplesmente; Não vejo maneira melhor de sustentabilidade da Obra de Deus que não seja pelo Dízimo, porém de maneira voluntária, como deixo claro no meu Artigo, no Site;

      Para reflexão deixo a afirmação de Jesus nos seguintes termos:

      Mateus

      16.19 Dar-te-ei as chaves do reino dos céus; o que ligares na terra terá sido ligado nos céus; e o que desligares na terra terá sido desligado nos céus.

      Mateus

      18.18 Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra terá sido ligado nos céus, e tudo o que desligardes na terra terá sido desligado nos céus.

      “Tudo o que ligares na Terra será ligado no Céu”

      Eu entendo que Jesus estava deixando evidente que sendo Bíblica a Ação concorde a ser ligada na Terra, como por exemplo, o Dízimo, logo, sua concordância será ligada no Céu = Entendeu?!

      Não confundir Verdade Bíblica, como o Dízimo, com Heresias;

      Fazer Estudos sobre o Dízimo sem considerar que tal prática é fundamental no Sistema financeiro atual é um desserviço à Obra de Deus;

      Devemos sim abordar a Ação dos MERCENÁRIOS, porém sem prejudicar a continuidade da Obra de Deus através do Dízimo e Ofertas, bem como, mostrar que o Dízimo dos Dízimos deve ser aplicado em Missões;

      Fique na Paz de Jesus

      Onir

  13. sergio paulo dos santos

    Obrigado pelo post Sr.Onir
    Gostaria de saber se eu não der o dizimo, serei amaldiçuado, pois alguns pregam Malaquias e fala de maldição.
    Pois eu já tentei ser fiel a Deus, deixando de pagar minhas contas para dar o dizimo e meu cartão de credito até hoje pago divida dele.
    Pois agora só dou o Dizimo se não afetar minhas finanças e o sustento da minha familia, pois creio que o dizimo é para o sustento da igreja, e como no novo testamento fala que as ofertas eram para se dividir entre as familias,para que todos vivessem igualmente.
    Entendo que se eu não tiver suficiente para manter minha familia,como poderia eu dar o dizimo e vendo pastores comprando carros de luxo e mansões.
    obrigado fico no aguardo de uma iluminação deste assunto.

    • Prezado Sergio Paulo

      Obrigado pelo contato e pelo interesse no Assunto;

      Analisando seu Comentário devo informá-lo que o Dízimo não é obrigatório e sim Voluntário, e necessário para a Obra do Reino de Deus, como deixo claro no Artigo em Questão;

      Quanto a administração do Salário seja de um Salário Mínimo ou vinte Salário Mínimo, precisa ficar entendido que se trata de Assunto Pessoal;

      Posso afirmar que conheço pessoas Dizimistas que ganham cerca de dois Salários Mínimos e tem as suas finanças equilibradas;

      Posso afirmar também que conheço pessoas Dizimistas que ganham cerca de 10 Salário Mínimo e não conseguem equilibrar suas finanças;

      Precisa ficar entendido que ser Dizimistas é investir na Obra do Reino de Deus acumulando um Tesouro no Céu, onde a traça e a ferrugem não destroem, como afirmou Jesus;

      Toda a afirmação seja por meio de Pregação ou em Literatura de que a pessoa Dizimista ou Ofertante receberá ou terá retorno material do que Dizimou ou Ofertou está sendo manipulada com sentido pessoal;

      Não restam dúvidas que Deus não desampara o Justo, como afirma a seguinte referência Bíblica:

      Almeida Revista e Atualizada

      Salmos

      37.25 Fui moço e já, agora, sou velho, porém jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendência a mendigar o pão.

      Quanto a sua afirmação sobre ter dado o Dízimo e ter gasto mais do que recebe conforme seu relato, é conseqüência de descontrole; Não quero aprofundar esse detalhe do descontrole por se tratar de circunstâncias particulares;

      Quanto a sua citação de Líderes relacionados com carros de luxo e mansões não é novidade nos meios Evangélicos, porém eles não obrigam ninguém a segui-los;

      Você tem o livre arbítrio para escolher o lugar certo para adorar e fazer a Obra de Deus;

      Quanto ao mais relacionado com o sustento de sua família e o investimento na Obra do Reino de Deus, não tenho mais nada a comentar, além do que já expus acima;

      Quanto a minha opinião pessoal reitero o que já afirmei de que sou imensamente agradecido a todos os Dizimistas e Ofertantes que ao longo do Tempo proporcionaram através da Igreja de Cristo que a Mensagem da SALVAÇÃO tenha me alcançado;

      Espero ter atendido suas expectativas;

      Fique na Paz de Jesus;

      Onir

  14. Joao Bosco nolasco

    Fico impressionado e aomesmo tempo admirado com sua notável perspicácia em navegar pela palavra do Senhor e coragem em propor o que é diferente desse evangélho copiado ,parafraseado eautentificado emnosso tempo. Sendo fiel ao Senhor e ao que Ele diz emsua palavra,não omitindo e nem suprimindo ,temmeu apoio!
    estarei orandopor vc!!!
    a paz do Senhor.

  15. Joao Bosco nolasco

    perdão pelos erros ortograf… meu teclado tá ruim, quero mais e mais dessa bagagen ,vou explorá-lo!!!

  16. Rafael Pacheco

    Li a bíblia inteira duas vezes entre os 14 e os 16 anos e discordava dos meus lideres emn vários aspectos da Bíblia, e o principal deles era o dízimo. Como eu era jovem e queria debater esses itens eu era tido como pertubador e até hoje sou visto assim, só que hoje parei de dar minhas opiniões. Concordo com o seu artigo em tudo! só em um detalhe, eu creio que quando o Espirito Santo nos comove à dar o dízimo devemos dar o dízimo do Bruto e não só do líquido, já que os impostos são obrigações nossas (dai a Cesar o que é de Cesar e à Deus o que é de Deus).
    Deus te fortaleça e lhe mantenha esse dissernimento!

  17. João Augusto

    Parabéns pelo artigo, me esclareceu vários pontos, é muito bom mesmo. Aqui dou meu pitaco teológico. Dízimo é questão de primícias, se tira o dizimo primeiro, e depois o resto. O dízimo também é tirado do melhor, e não do pior. Assim, entendo que dízimo é sobre o bruto, pois se descontarmos os impostos, estaremos dizimando sobre o resto, e não estamos tirando as primícias. O imposto é uma relação tributário, como qualquer outro encargo, assim como o financiamento do carro da casa é uma dívida de natureza civil/comercial. Se o imposto é retido na fonte é uma questão de pura metologia administrativa/tributário do governo, um instrumento mais eficaz de arrecadação. Se percebermos 100, dízimo é 10, depois paga-se as obrigações de todas as naturezas: civis, comerciais, tributárias, etc.
    João Augusto.

    • Prezado João Augusto

      Meu Objetivo com esse Artigo é o DÍZIMO DOS DÍZIMOS, isto é, quem recebe e administra o Dízimo deve também tirar 10% do total e usar em Missões;

      Eu deixo bem evidente tudo isso no Artigo;

      Fique na Paz de Jesus.

      Onir

  18. MARCOS ANTONIO

    prezado irmão q deus te abençõe e continui te dando sabedoria, tenho aprendido muito com seus artigos

  19. A Paz do Senhor a todos! Dou graças pela infinita misericórdia do Pai e pelo sacrifício que Jesus fez por todos nós. Não sou dizimista, pois não encontro, por mais que me esforce, nenhum embasamento no ensinamento apostólico do novo testamento. Porém, contribuo alegremente com minhas finanças para a obra do Senhor, assim como orienta o Apóstolo Paulo em 2Cor 9:7 que diz: “CADA UM CONTRIBUA SEGUNDO TIVER PROPOSTO NO CORAÇÃO, NÃO COM TRISTEZA OU POR NECESSIDADE; POR QUE DEUS AMA A QUEM DÁ COM ALEGRIA.” Estou no tempo da Graça, e já li o novo testamento várias vezes completo, pedindo sempre ao Espírito Santo que me ensine, se eu fosse dizimista também seria sabatista. E reafirmo, contribuo financeiramente com a obra do Senhor, mas dízimo pra mim não existe, assim como não sou obrigado a guardar sábado! fiquem na Paz!

    • Prezado Marcos

      Quanto ao Dízimo eu explico que não é obrigatório, porém necessário e a mais justa forma de contribuição para a Obra do Reino de Deus, considerando o Salário de cada pessoa, isto é, quem ganha um Salário Mínimo ou quem ganha 20 Salários Mínimos = entendeu?!

      Meu principal objetivo quanto ao Assunto do Dízimo é o Dízimo dos Dízimos, amplamente esclarecido no Artigo e nos Comentários respondidos;

      Quanto ao Dia do Senhor estou preparando um Artigo sobre o Assunto, motivado pelo seu Comentário;

      Fique na Paz de Jesus.

      Onir

  20. Graça e paz!

    Irmão Onir, gostei muito do assunto abordado e dos seus comentários; eu percebo que muitas pessoas que dizem amar a Deus e sua obra, mas não fazem nada para contribuir com a mesma, estão dentro de uma igreja mas acham que suas finanças são mais importantes que a obra que Deus fez em suas vidas, não pregam, não fazem evangelismo, servem a Deus do seu jeito “afinal estou debaixo da Graça mesmo”, dizem eles.
    Eu prefiro ficar com Jesus, “Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado.” Tiago 4:17. os mesmos deveria esquecer também, todas as promessa feita no período da Lei.

    Deus abençoe a todos.

  21. A PAZ DO SENHOR

    PELO QUE EU ENTENDI =DE 100% QUE É ARRECADO NAS IGREJAS(SOMENTE DINHEIRO DOS DIZIMOS),10% É SEPARADO PARA MISSÕES,OU SEJA PARA ASSALARIAR OS OBREIROS QUE TRABALHAM NA CEARA DO SENHOR,ETC….SERIA O MESMO QUE DOS 10 % QUE CONTRIBUO AO SENHOR, NO MINISTÉRIO QUE EU CONGREGO,1% É DESTINADO PARA MISSÕES? OU SEJA DOS 10% DE DIZIMO =1% É O DIZIMO DOS DIZIMOS E 9% É O DIZIMO DO SENHOR
    E PARA ENCERRAR =EU DEVO DIZIMAR DO BRUTO OU DO LIQUIDO NO DECORRER DO MÊS?SEJA SE EU TRABALHO POR PRÓPRIA CONTA,SEJA SE EU TRABALHO DE EMPREGADO!

    ESTOU CORRETO NA MINHA INTERPRETACÃO E AGUARDO RESPOSTA SOBRE A QUESTÃO DE DIZIMAR DO BRUTO E DO LIQUIDO

    • Prezada Débora

      Preste atenção que no meu entendimento o Dízimo não é obrigatório, e sim necessário para a Obra do Reino de Deus;

      Desta forma eu entendo que ofertar e dizimar são formas de acumular Tesouro no Céu;

      Ofertar e Dizimar na Obra do Reino de Deus precisa ser praticado com Sabedoria e Amor;

      Quando observamos que o Ministério está voltado para o Espiritual e não para conveniências nosso desejo é ser um Obreiro mantenedor;

      Desta forma a interpretação sobre o líquido ou o bruto é uma questão pessoal, pois Jesus disse para dar a Cesar o que é de Cesar, e a Deus o que é de Deus;

      Se interpretarmos que primeiro devemos cumprir os compromissos com Cesar e depois com Deus, então devemos dar do líquido;

      Se interpretarmos o contrário apenas podemos entender que nosso Tesouro no Céu ficou maior;

      Este Assunto tem sido amplamente desenvolvido e depende muito mais do coração sem exageros;

      Precisa ficar bem entendido que a Salvação não depende de ser ou não Dizimista, porém será devidamente pesado na Balança de Daniel 5: 27:

      Daniel

      5.27 TEQUEL: Pesado foste na balança e achado em falta.

      Espero ter atendido suas expectativas.

      Fique na Paz de Jesus.

      Onir

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Copyright © 2014. All Rights Reserved. Designed by PsPrint online printing
Thanks to: Try free printable calendar templatesCustom calendar printinghomeinbayarea.com